O olhar da chama da militância

Penso muito na vida como ela deveria ser para mim caso eu não tivesse Tourette.

Eu seria um uma pessoa com diferentes princípios de observação da sociedade, como são os membros da minha família, não teria a senssibilidade que me acompanha, extremamente materialista e com uma arrogância dominando como uma nuvem preta na cabeça.

Minha esposa um dia falou que me ama assim, com a Tourette. Gente, eu sou completamente diferente da minha família, dos meus irmãos.

Mas difrenças à parte, eu de fato não tenho o que reclamar “ainda” da vida.

Tenho uma mãe que paga metade das minhas contas, pois quando vim morar em apartamento próprio, assumi condomínio e todo o pacote.

Mas deliberadamente eu nunca poderei reclamar de minha situação.

Tenho um carro. Gasolina. Cartão para usar em famácias. Pet do meu cachorro, o Bruce.

Essas coisas são pagas pela minha mãe, sem esquecer que ela é uma incentivadora da minha cultura, e me ajudou em muitos livros publicados.

Lógico que eu estou ganhando a vida agora. Tenho seis anos de estrada apenas. Não esqueçamos que dos 35 aos 41 anos eu fiquei trancado dentro de um quarto me entupindo de comprimdos e vodca.

Estava esperando a morte chegar.

Sou de uma geração que não aproveitou as vantagens da Internet, conssequentemente informação globalizada era escutada de um rádio que chiava muito e dos telejornais.

Fazia trabalho de faculdade, marcava com alguém do grupo na frente da biblioteca, mostrava o que eu havia feito, a pessoa o que ela havia feito também, e combinávamos o próximo passo do trabalho.

Olha que coisa bela essa tal de internet.

Foi por causa dela que eu conheci o primeiro portador de Tourette.

Hoje conheço milhares deles. E eles são de todas as partes do mundo.

Estou entrando no mês da Tourette pois está perto do lançamento de “Gilles“, meu livro infanto juvenil. Portanto a maioria dos meus posts serão sobre o tema.

Temos que difundir.

Eu estou difundindo!

Vários outros também!

E assim vamos fazendo uma releitura dos conceitos pré estabelecidos dessa sociedade que não tem um direcionamento no olhar para a nossa causa.

Temos que aprovar leis!

Os portadores de Tourette no Brasil estão na lama!

Falo com autoridade.

Portanto nem todos tem os meus privilégios e minha força de não ter desistido, inclusive consegui com a Tourette me atrapalhando em tudo, me Pós Graduar.

Eu me qualifiquei porque enfrentei a Tourette e não tive medo dela.

Mas foi difícil, muito difícil..

Fica a reflexão do post para que todos possam analisar.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s