Já anoiteceu e ainda é dia

Uma vez eu estava caminhando no deserto.

O peregrino sempre caminhou pelo deserto.

Eu e o pergrino somos a mesma pessoa.

O isolamento, a solidão, o deserto de palavras, o deserto de atitudes, o deserto do confiar.

De uma certa maneira, não confiamos mais em nada mesmo.

Eu perdi a noção do tempo, eu perdi o sentido do amor.

O peregrino já foi solitário de fato, tinha apenas o seu cão.

Mas o peregrino ganhou um novo elemento para se recolocar na vida, e de nada valeu, pois ele não se socializa com o mundo.

Portanto basta para o peregrino um pouco mais de paciência, pois o deserto do Saara é minúsculo e possui vários oásis.

Basta para o peregrino, fundamentalmente, saber onde fica o término de sua jornada de andanças pelo mundo, este mundo nefasto e um pouco insalubre.

Pois mesmo para o peregrino, os desafios da vida, são como meteoros que caem do céu, e quebram a vidraça da sua janela.

O peregrino continua a sua jornada de infelicidades…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s