A parábola do inquilino II

Vamos lá, semioticamente falando, os olhares críticos e de preconceito não se refere apenas aos meus olhos.

Ao meu comportamento?

Eu sempre considerei a vida um risco, eu sempre fui libertário, não faço mal a ninguém e pago as minhas contas em dia.

Essa parábola é que o inquilino veio dizer agora que todas as fechaduras das suas casas deveriam ser fechadas, e cada qual viver as suas vidas.

Este conto vai ser a parte II.

E uma vida selvagem, uma vida sem medos, pois a consciência sempre fora tranquila.

Portanto eu sou o espelho das portas fechadas do condomínio misterioso, onde o zelador fotófrafo, tem mais tendência para 007.

E a divina espiritualidade, fica na conta das bençãos do senhor vigia.

A parábola do inquilino é inquieta, é profunda (eu acho), e possui um grau de complexidade que vai além do pós-metafísico.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s