A máxima do estereótipo

Para se conseguir o afeto necessário na contramão da loucura, é muito, mas muito difícil.

Piorando ainda mais, se essa loucura for devastadora no sentido do fazer consciente para um entendimento da razão.

O legado póstumo de não se saber como lidar com seríssimas situações, nada mais é que a relevante personificação do mal.

O mal atribuído nesta plataforma, mora ao lado do bem personificado da loucura.

Nada mais justo que juntar os cacos de todos os vidros espalhados na redoma de uma prateleira suja e abandonada.

Como poderia um teor alucinógeno de partículas atômicas percorrer os caminhos fortuitos da razão?

A razão por si só desloca o indivíduo do eixo de contemplação.

Portanto alinha-se os estereótipos, e se conclui que o máximo possível de partículas poderia estar ao lado da razão.

Porque ela, além de mais nada, é necessária para um discurso eloquente.

E todos precisamos ouvir o orador.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s