A ruptura

Por onde andei deixei um rastro horrível de pecado.

Não obstante à minha condição de pecador, deixei as delícias e prazeres do mesmo.

Pois o pecado é delicioso, é prazeroso, é uma doce lembrança, por mais que seja condenável.

Ando um pouco anestesiado com as coisas, por mais que seja condizente dizer que a quarta metade do meu cérebro esteja contaminada, me sinto muito só.

Perdido neste mundo de falácias, espero da lógica uma soma eterna e progressiva de meus pesares.

O livro de nossas vidas, aquele que nem é redigido por nós mesmos, apenas o Criador tem acesso à ele, está a verdadeira e cruel face da moeda.

No compasso de espera, a função totalizada de maneiras cômicas de reagir ao purgatório, me leva à gargalhada sem prescedentes.

Do purgatório joguei cartas com o satanás.

Agora estou curtindo o revés disso tudo.

A situação ficou um pouco complicada, mas apenas para a minha cabeça, pois não pude suportar o peso de meu pecado.

Um pouco mais de ternura para essa vida, é o que rogo.

Rogo também pelo apego do disforme, pela forma do mosaico e pela arte do abstrato.

Por tudo, rogo por dias combalidos, mentalmente compomentidos, mas rogo pela ruptura brutal de todos os tormentos.

Assim espero no paraíso, do paraíso.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s