A culpa imperiosa

Foto por Andrea Piacquadio em Pexels.com

Tenho a possível deliberação de que de fato a última profecia foi justamente a da minha chegada neste mundo insosso.

Por vezes estive mergulhado nas sombrias e indecifráveis nuvens negras do destino.

Me fiz um pedaço de esperança, atribui o fato do elementar desejo à minha parca sutileza nos versos.

Obtive o perdão do mundo, mas continuei a pedir por ele.

De fato resolvi também perdoar, pois carrego as cicatrizes de sua maldade.

Tenho dentro de mim o socorro suficiente para me livrar de um destino amargo.

Vou conduzindo com meu espectro a esperança de dias mais calmos.

E finalmente, posso assim aliviar as minhas dores secretas.

Procuro por mim.

Procuro até onde poderia ser o meu íntimo desejo de culpa, aquela que não desgarra nunca.

Onde me fiz rei, posso sucumbir como majestade…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s