Estrelas

Foto por Aviv Perets em Pexels.com

Freneticamente, abro o meu coração dilacerado pela letargia, e ignoro as providências futuras ao delírio das impressões inesistentes.

Saboreio o nectar todos os dias que vou comer o doce mel da minha espectativa, e revigoro meu espectro para sempre andar pensando no futuro, nunca esquecendo do presente.

Vou informar as minhas angústias aqui, e deixarei perplexo os meus descendentes, mesmo não tendo nascidos ainda.

Pois de tanto tempo esperando a minha condição de coadjuvante, as impróprias desistências me fazem amargar neste universo de constelações decaídas.

Depois de longos 800 anos, a Estrela de Belém poderá ser vista novamente, e nem sei se isso é profético, num mundo abominável e pandêmico.

Não irei usurpar o trono dos Reis Magos.

Espero apenas pela paz que atingiu o meu cérebro e o meu viver.

Conduzirei agora e para sempre, o reflexo de uma graça abençoada, nada mais a ser dito.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s