Por quase e para sempre

Foto por Pixabay em Pexels.com

As anotações que faço em signos por onde passo, me levam a ter o dissabor de um dia talvez ter sido colocado em uma cruz.

Em recente entrevista, hoje para ser mais prático, falei que pedia o perdão da humanidade, mas que antes disso a havia perdoado.

Para ser mais prático, nunca peguei em uma metralhadora para dilacerar quem me fez tão mal.

E vos respondo: a sociedade.

E ainda a faz.

Não vou por aqui me perder nas determinantes dos meus desejos de paz para todos, inclusive para o meu tão dilacerado coração.

Por vezes me peguei pecando, mas a minha fé é inabalável.

Por alguns instantes procurei o objeto de meus pecados, e da carne acabei virando pó.

Um texto reflexivo apenas me faz cirurgião da autópsia,

E o resultado do crime: violência moral!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s