Efêmero

A felicidade é efêmera.

Como a embriaguez também.

Ela engana os dispositivos cerebrais, pensamos estar em sintonia orgástica, mas mesmo o orgasmo é igualmente efêmero.

Agora penso que a tristeza tenha uma singularidade específica. Passei e passo muito tempo de minha vida preso nos infindáveis transistores negativos.

Vivo plenamente o pouco de felicidade que possuo.

Como o orgasmo, tendo estado feliz por alguns instantes, procuro me adequar aos parâmetros da normalidade.

Já fui um dia feliz, e como…

Mas sei que isso já passou, tenho em mãos o atestado de riqueza atribuída ao meu catálogo de incertezas. Fui feliz um dia…

E se me perguntarem por quanto tempo mais estarei aprisionado na melancolia, responderei que ela é a antítese da plenitude feliz.

Fui feliz um dia…

Hoje estou sereno, e com a serenidade, esqueço a culpa, pois também mereço o perdão.

Para efemeramente, tentar um pouco de felicidade.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s